PARCEIROS

PARCEIROS
PRESSIONE o botão PLAY para reproduzir a rádio, caso não toque automaticamente

BATE PAPO VIA FACEBOOK

A Bíblia Estava Certa

Os livros da Bíblia sempre foram fonte de consulta para escavações científicas em busca da verdade histórica.
O arqueólogo da Universidade da Califórnia Thomas E. Levy e o diretor de escavações e pesquisas do Departamento de Antiguidades da Jordânia,  Mohammad Najjar são de opinião que “somente uma sociedade complexa, como uma grande tribo ou um reino primitivo, poderia ter capacidade  organizacional para produzir cobre em escala industrial”.

Processo de datação

Grupo internacional de arqueólogos conseguiu datações em rádio-carbono feitas em madeira, grãos e frutos carbonizados em diversos níveis de sedimentos, revelam que as construções datam do décimo segundo século a.C. O grupo desenterrou artefatos que contam muito sobre a época escaravelhos, cerâmicas, pontas de flechas em metal, martelos, pedras de moagem entre outros.

O sítio arqueológico

Os indícios foram encontrados nas ruínas de um grande centro de processamento de cobre em Khirbat en-Nahas nas terras baixas do antigo reino de Edom, atualmente parte da Jordânia.
As escavações estão sendo lideradas por Thomas E. Levy da Universidade da Califórnia.
O arqueólogo israelense, Israel Finkelstein, da Universidade de Tel Aviv, acredita que o novo estudo não lança novas luzes sobre a formação do Estado em Edom. Segundo ele, as atividades como a do cobre, poderiam ser controladas por membros de outras sociedades que não a de Edom.

Nosso grifo:

Essa possibilidade não pode ser descartada, mas nada prova ser verdadeira. Ademais, os estudos arqueológicos ainda não foram concluídos nem seus resultados cruzados com estudos já existentes.

Grande Interesse no meio acadêmico internacional

Distando 50 km do Mar Morto e outros 50 km das ruínas de Petra, o mais famoso sítio arqueológico da Jordânia. As novas descobertas já estão sendo objeto de trabalhos acadêmicos.

N.R.:

Até que ponto os trabalhos arqueológicos, sem prazo de conclusão, alterarão a História ou somarão novos dados aos já conhecidos ou abrirão novas lacunas no imaginário científico? Essas respostas, só o tempo revelará.

Desvendado o segredo do salto da pulga


Cientistas da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, resolveram o mistério de como pulgas saltam tão longe e tão rápido.
Estudos anteriores já haviam revelado que a energia necessária para catapultar uma pulga a uma distância 200 vezes maior do que o comprimento do seu corpo tinha sua origem em uma estrutura elástica, semelhante a uma mola, presente no organismo do inseto.
Filmagens feitas com câmeras capazes de capturar objetos se movendo em alta velocidade revelaram que o segredo está na forma como as pulgas usam suas pernas traseiras – como alavancas de múltiplas partes.
‘Finalmente descobrirmos que as pulgas não pulavam se estava escuro’, explicou Sutton. ‘Então, desligávamos as luzes, posicionávamos a câmera para colocar a pulga no plano (de filmagem), acendíamos a luz e a pulga saltava’.
Esse ‘efeito alavanca’ permite que as pulgas pressionem suas patas no chão e a liberação repentina da ‘mola enrolada’ projeta o inseto para a frente e para cima, afirmam os cientistas na revista científica “Journal of Experimental Biology”.
Mais info sobre a pulga:
Pulga é o nome comum dos insetos sem asas da ordem Siphonaptera. As pulgas são parasitas externos que se alimentam do sangue de mamíferos e aves. Estes animais podem transmitir doenças graves como o tifo e a peste bubónica.
Elas afetam normalmente animais de estimação, como o gato, o cachorro, entre outros. Elas dependem do hospedeiro para se alimentarem e se protegerem, permanecendo toda a sua vida. Além de provocarem incômodo pelas picadas, transmitem vermes, parasitas sanguíneos e podem induzir a processos alérgicos, diminuindo a qualidade de vida dos animais.
O tamanho de uma pulga dependendo da espécie pode chegar a 5 mm de comprimento.
Fonte: G1 / Wikipédia