PARCEIROS

PARCEIROS
PRESSIONE o botão PLAY para reproduzir a rádio, caso não toque automaticamente

Lição 1: Adão, o Primeiro Homem

O homem não é um mero detalhe no Universo; o ser humano é a obra-prima de Deus, o Criador e Mantenedor de todas as coisas.
Lições Bíblicas do 1° trimestre de 2020 - CPAD | Classe: Adultos | Data da Aula: 5 de Janeiro de 2020
Texto Áureo
"E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre [...] toda a terra (Gn 1.26)
Verdade Prática
O homem não é um mero detalhe no Universo; o ser humano é a obra-prima de Deus, o Criador e Mantenedor de todas as coisas.
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 1.26: O conselho divino para a criação do homem
Terça - Gn 2.7: A criação do primeiro homem
Quarta - Sl 8: O lugar do homem na criação divina
Quinta - Lc 3.38: O homem é filho de Deus
Sexta - Jo 3.16: Deus ama o ser humano
Sábado -1 Tm 2.5: Jesus, verdadeiro homem
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Gênesis 2.1-8
1- Assim, os céus, e a terra, e todo o seu exército foram acabados.
2- E, havendo Deus acabado no dia sétimo a sua obra, que tinha feito, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.
3- E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra, que Deus criara e fizera.
4- Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados; no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus.
5- Toda planta do campo ainda não

estava na terra, e toda erva do campo ainda não brotava; porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra.
6- Um vapor, porém, subia da terra e regava toda a face da terra.
7- E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
8- E plantou o SENHOR Deus um jardim no Éden, da banda do Oriente, e pôs ali o homem que tinha formado.
HINOS SUGERIDOS: 112, 124, 148
OBJETIVO GERAL
Expor que o ser humano é a coroa da criação de Deus.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I - Apresentar os conceitos e os objetivos da doutrina bíblica do homem;
II- Descrever a criação dos Céus e da Terra;
III - Mostrar a criação de Adão, o primeiro ser humano;

IV - Conscientizar a classe acerca da missão e da tarefa do homem.
• INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Vamos iniciar mais um novo ano. Após fazer uma reflexão das atividades pedagógicas do ano que passou, é hora de colocar em prática uma nova proposta pedagógica a fim de que seus alunos aprendam a Palavra de Deus da melhor forma.

Neste trimestre estudaremos a doutrina bíblica do homem, uma importante doutrina cristã. Qual o objetivo de Deus ao criar o mundo? Por que Deus criou o ser humano? Qual o propósito do homem neste planeta? São perguntas que interessam a essa importante disciplina da Teologia Sistemática, denominada também de Antropologia Teológica.

O comentarista deste trimestre é o pastor Claudionor de Andrade. Ele é escritor, conferencista e consultor doutrinário e teológico da Casa Publicadora das Assembleias de Deus.

Que a cada lição possamos aprender sobre o que Deus espera do ser humano que vive segundo os propósitos d Ele.
INTRODUÇÃO
O tema deste trimestre é a doutrina bíblica do homem. Com a ajuda de Deus, estudaremos o que a Bíblia Sagrada ensina a respeito do ser humano, a obra-prima da criação divina. Entre outros assuntos, enfocaremos a criação de Adão e Eva, a triste realidade do pecado, a experiência de nossos pais fora do Éden e a nossa própria redenção. E, por fim, mostraremos a glorificação eterna dos que receberam a Jesus Cristo - Verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus.

Nesta lição, veremos o que é a doutrina bíblica do homem. Em seguida, consideraremos a criação do primeiro ser humano: Adão, a quem a Bíblia chama de filho de Deus (Lc 3.38 - ARA). Que o Divino Consolador nos ajude a compreender os mistérios da Bíblia Sagrada, a inspirada, a inerrante e a completa Palavra de Deus. Aleluia!
PONTO CENTRAL
O ser humano é a coroa da criação de Deus.

l - A DOUTRINA BÍBLICA DO HOMEM

A doutrina bíblica do homem, entre outras coisas, busca responder a esta pergunta: "Que é o homem" (Sl 8.4). A fim de a conhecermos devidamente, teremos de defini-la, ver os seus fundamentos e estabelecer os seus principais objetivos.

1. Definição.
A doutrina bíblica do homem é o ensino sistemático das verdades referentes ao ser humano, que encontramos nas Escrituras do Antigo e do Novo Testamentos. Essa disciplina, centrada na Bíblia Sagrada, tem como objetivo estabelecer o lugar do homem na Criação e no Reino de Deus.

No âmbito da Teologia Sistemática, ela é conhecida como antropologia que, em grego, significa literalmente o estudo do homem.

2. Fundamentos.
O principal fundamento da doutrina bíblica do homem encontra-se, obviamente, na Bíblia Sagrada, nossa única regra infalível de fé prática.

Todavia, servimo-nos também, como fontes auxiliares, de nosso Credo, da Declaração de fé da Assembleia de Deus no Brasil e dos livros-texto devidamente aprovados pelas autoridades de nossa igreja.

3. Objetivos.
 Estes são os objetivos da doutrina bíblica do homem:
1)      Responder às grandes perguntas do ser humano: Quem sou eu? De onde vim? O que represento? Qual a minha missão? E para onde vou?
2)      Mostrar a dependência do homem em relação a Deus, o Criador e Mantenedor de todas as coisas;
3)      Levar o homem a reatar a sua comunhão com Deus através de Jesus Cristo, o Homem Perfeito;
4)      E consolar-nos quanto ao nosso destino eterno por meio do sacrifício de Jesus no Calvário-Verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus.
SÍNTESE DO TÓPICO I
A doutrina bíblica do homem é o estudo sistemático das verdades bíblicas em relação ao ser humano.

SUBSÍDIO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO

A primeira lição tem o objetivo de introduzir o assunto que será desenvolvido ao longo do trimestre. Assim, você pode aproveitar este tópico, que trata sobre o conceito, fundamentos e objetivos da doutrina bíblica do homem, para apresentar o trimestre inteiro para o aluno. Tenha sempre como alvo as seguintes perguntas: Qual o objetivo de Deus ao criar o mundo? Por que Deus criou o ser humano? Qual o propósito do homem neste planeta? A doutrina bíblica do homem busca respondê-las levando sempre em conta a atividade salvífica de Deus apresentada conforme as Escrituras.


II- A CRIAÇÃO DOS CÉUS E DA TERRA

Em primeiro lugar, Deus criou os Céus, a Terra e tudo o que neles há. E, só então, veio a formar o homem. Em sua infinita sabedoria, o Criador preparou-nos um lugar perfeito e agradável para habitarmos.

1. A criação dos Céus e dos anjos.
A primeira coisa que Deus criou foram os Céus e, em seguida, os anjos (Gn 1.1; Sl 33.6). Depois de chamá-los à existência, o Senhor pôs-se a criar a Terra e tudo quanto nela se contém (Gn 1; Jó 38.1-11).

2. Deus a tudo criou com inigualável sabedoria.
Sabiamente, o Pai Celeste, antes de formar o homem, criou a Terra, a fim de colocá-lo num planeta sustentável (Salmo 104).

A forma como Deus agiu em toda a sua obra é enaltecida pelo autor sagrado (Pv cap. 8). A sabedoria divina está patente em toda a criação (Sl 19.1-6). Por essa razão, todas as obras do Senhor são admiráveis, sublimes e ricas em variedades (Sl 104.24).

SÍNTESE DO TÓPICO II
Segundo as Escrituras, Deus criou os Céus e a Terra e tudo o que neles há.

SUBSÍDIO APOLOGÉTICO
“Tudo no universo - cada planta e animal, cada rocha, cada partícula de matéria ou onda de luz - está preso a leis, em relação às quais não há escolha a não ser obedecer. A Bíblia nos diz que existem leis da natureza - 'as ordenanças dos céus e da terra' (Jr 33.25). Essas leis descrevem a forma como Deus normalmente realiza sua vontade no universo.
A lógica de Deus está construída no universo, por isso, o universo não é puro acaso nem arbitrário. Ele obedece às leis da química que se originam logicamente das leis da física, muitas das quais podem ter origem lógica de outras leis da física e da matemática. As leis mais fundamentais da natureza existem apenas porque Deus quer que existam; elas são a forma lógica e ordenada como o Senhor mantém e sustenta o universo que criou. O ateísta é incapaz de considerar a condição da ordem lógica do universo. Por que o universo obedeceria às leis se não houvesse Legislador? Todavia, as leis da natureza são perfeitamente consistentes com a criação bíblica" (HAM, Ken. Criacionismo, verdade ou mito? Respostas para 27 questões sobre a Criação, Evolução e Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p.43).


Ill - A CRIAÇÃO DE ADÃO, O PRIMEIRO SER HUMANO

O homem não é um mero detalhe no Universo nem surgiu por acaso. O ser humano é o resultado de uma decisão amorosa, soberana e livre da Santíssima Trindade. Criado por Deus, a partir do pó da Terra, Adão tornou-se alma vivente.

1. O concílio da Divindade sobre a criação do homem.
A criação do ser humano foi antecedida por um concílio da Santíssima Trindade: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra" (Gn 1.26).

A formação do ser humano, repito, foi uma decisão amorosa, livre e soberana de Deus, o Criador e Mantenedor de todas as coisas (Ap 4.11).

2. Deus cria Adão, o primeiro ser humano.
Em seguida, Deus criou o primeiro homem, do pó da Terra, para que nós, filhos de Adão, a tivéssemos não como mãe, como querem os ecologistas, mas para que nela habitássemos, e para que dela tirássemos nosso sustento (Gn 2.8,16,17).

Por acreditarmos piamente na literalidade do Gênesis, professamos que o ser humano é o resultado de um ato criativo de Deus, e não de um longo e fantasioso processo evolutivo, como ensinam dogmaticamente os evolucionistas. Tudo quanto existe (inclusive o homem) veio a existir como resultado de uma ordem expressa do Todo-Poderoso (Sl 148.5). O criacionismo bíblico é incompatível com o evolucionismo (2 Co 6.14).

3. O homem torna-se alma vivente.
Ao contrário dos animais, o homem foi criado direta e pessoalmente por Deus, para que refletisse a glória divina (1 Co 11.7). Eis porque Adão tornou-se alma vivente (Gn 2.7). Deus nos chamou à vida com as faculdades necessárias tanto para termos comunhão com Ele quanto para relacionarmo-nos com os nossos semelhantes.

SÍNTESE DO TÓPICO III
O ser humano não é um detalhe que surgiu por acaso no universo, mas o resultado de uma decisão amorosa, soberana e livre da Santíssima Trindade.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
"Os escritores sagrados sustentam de modo consistente que Deus criou os seres humanos. Os textos bíblicos mais precisos indicam que Deus criou o primeiro homem diretamente do pó (úmido) da terra. Não há lugar aqui para o desenvolvimento paulatino de formas mais singelas de vida em outras mais complexas, tendo o ser humano como ponto culminante. Em Marcos 10.6, o próprio Jesus declara: ’Desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea'. Não pode haver dúvida quanto ao desacordo do evolucionismo com o registro bíblico. A Bíblia indica com clareza que o primeiro homem e a primeira mulher foram criados à imagem de Deus, no princípio da criação (Mc 10.6), e não formados no decurso de milhões de anos de processos macro evolucionários" (HORTON, Stanley (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p.244).

IV- A MISSÃO E A TAREFA DO HOMEM
Deus nos criou, para que desempenhássemos as seguintes tarefas: glorificá-lo, propagar a espécie e administrar o planeta.

1. Glorificar a Deus.
O Senhor criou-nos, a fim de refletirmos a sua excelsa glória e majestade (1 Co 11.7). Ao contrário dos animais, aves e peixes, o ser humano é o único ser vivo criado à imagem e à semelhança de Deus. Por esse motivo, toda vez que alguém, seduzido pelo Diabo, adora à criatura em lugar do Criador, atenta contra a santidade e a glória do Senhor (Rm 1.22,23).

Quando cumprimos a vontade de Deus, cumpre-se, em nós, esta consoladora promessa:” E serás uma coroa de glória na mão do Senhor e um diadema real na mão do teu Deus" (Is 62.3).

2. Propagar a espécie.
Deus ordenou também ao homem a deixar a casa dos pais, e unir-se à sua esposa, a fim de multiplicar e preservar a espécie humana (Gn 1.28; 2.24). Multiplicar a raça humana é uma obrigação do ser humano; a povoação do planeta glorifica o nome de Deus e cumpre o propósito divino quanto à plenitude de seu Reino em todos os âmbitos da criação.

Deus tem um forte compromisso com a família genuinamente bíblica: heterossexual, monogâmica e indissolúvel. Leia, juntamente com a sua esposa e filhos, o Salmo 128. Uma família bem constituída é uma bênção à Igreja e a toda a nação.

3. Governar e administrar o planeta.
Deus, em primeiro lugar, criou a Terra e tudo o que nela há (Gn 2.1). Em seguida, criou Adão que, tendo por lar o Jardim do Éden, recebera como tarefa inicial dar nome a todos os animais e guardar o paraíso (Gn 2.15,19).

A partir daí, o homem haveria de adquirir a experiência necessária para governar e administrar toda a Terra (Gn 1.26). Ele passaria a extrair do solo, do qual fora tirado, tudo quanto viesse a necessitar. Que tudo, pois, seja consagrado para a glória e a honra do nome de Deus.

SÍNTESE DO TÓPICO IV
A missão do homem outorgada pelo Criador é glorificar a Deus, propagar a espécie e administrar o planeta.

SUBSÍDIO FILOSÓFICO-CRISTÃO
"Porque o propósito básico da humanidade é estar com Deus, nossa necessidade primária é estar em harmonia com Ele. Esta necessidade leva-nos a procurar e aprender e, assim, desenvolvemos as qualidades da imagem de Deus. Nossa necessidade de pensar e escolher, criar e ser tudo a que fomos designados ser, faz-nos potencialmente compatíveis com nosso Criador. A Bíblia começa com Deus criando os seres humanos e dando-lhes instruções concernentes ao seu propósito para as pessoas e a natureza. Do relato da criação do Gênesis à Grande Comissão registrada no Evangelho de Mateus, a Bíblia é uma história de como Deus trabalha nas pessoas para gerar e manter seu propósito.

Nosso propósito é o propósito de Deus. O pecado entrou na nossa natureza quando este potencial de ser como Deus foi explorado de modo abusivo. A Queda de Adão e Eva é a demonstração original de como todos os males e dificuldades são provenientes de não entendermos as necessidades reais humanas, ou de tentarmos satisfazê-las de maneira errada" (PALMER, Michael D. (Ed.). Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.207).

CONCLUSÃO
Acredito que, nesta lição, conseguimos responder a esta pergunta formulada pelo autor sagrado: "Que é o homem?". Antes de tudo, o ser humano é a obra-prima de Deus. Fomos chamados à existência para glorificar o seu grande e tremendo nome.

Glória a Deus! Aqui estamos para cumprir-lhe a vontade, refletir-lhe a glória e trabalhar como humildes e sábios obreiros em sua grande e imensa vinha.
A Deus toda a glória.

PARA REFLETIR
A respeito de "Adão, o primeiro homem", responda:

•        O que é a doutrina bíblica do homem?
A doutrina bíblica do homem é o ensino sistemático das verdades referentes ao ser humano, que encontramos nas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento.

•        Qual o principal fundamento da doutrina bíblica do homem?
O principal fundamento da doutrina bíblica do homem encontra-se, obviamente, na Bíblia Sagrada, nossa única regra infalível de fé prática.

•        Quando o homem foi criado?
Em primeiro lugar, Deus criou os Céus, a Terra e tudo o que neles há. E, só então, veio a formar o homem.

•        Qual a diferença entre o homem e os animais?
Ao contrário dos animais, o homem foi criado direta e pessoalmente por Deus, para que refletisse a glória divina (1 Co 11.7).

•        Qual a missão do homem?
A missão do homem é glorificar a Deus, propagar a espécie e administrar o planeta.

Fonte de divulgação: Cristão Veja

Lições de Adultos

Lições Bíblicas Professor, 1° Trimestre de 2020, Adultos – CPAD
Título: A Raça Humana
Subtítulo: Origem, Queda e Redenção.

Lição 13: A Velhice de Davi

Lições Bíblicas do 4° trimestre de 2019 - CPAD | Classe: Adultos | Data da Aula: 29 de Dezembro de 2019

Áudio Lição Aqui | Subsídios Bíblicos aqui | Auxílio - Professores Aqui
TEXTO ÁUREO
“Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo um concerto eterno, que em tudo será ordenado e guardado. Pois toda a minha salvação e todo o meu prazer estão nele, apesar de que ainda não o faz brotar.” (2 Sm 23.5)
VERDADE PRÁTICA
A verdadeira essência da vida não consiste em viver muito ou pouco, mas sim em viver cada momento com Deus e para Deus.

LEITURA DIÁRIA
Segunda – 2 Sm 22.49
Deus é que levanta os seus servos
Terça – 2 Pe 1.21
O Espírito Santo inspirou homens santos a escreverem a Bíblia Sagrada
Quarta – Is 9.7
O governo de Cristo será perfeito
Quinta – Is 55.3
Devemos sempre nos firmar na aliança divina
Sexta – Êx 3.6
O Deus de Jacó usa-nos, apesar de nossas imperfeições
Sábado – Sl 92.14
Busquemos o auxílio divino na velhice, para sermos produtivos


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
2 Samuel 23.1-7

1 - E estas são as últimas palavras de Davi. Diz Davi, filho de Jessé, e diz o homem que foi levantado em altura, o ungido do Deus de Jacó, e o suave em salmos de Israel:
2 - O Espírito do SENHOR falou por mim, e a sua palavra esteve em minha boca.
3 - Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus.
4 - E será como a luz da manhã, quando sai o sol, da manhã sem nuvens, quando, pelo seu resplendor e pela chuva, a erva brota da terra.
5 - Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo um concerto eterno, que em tudo será ordenado e guardado. Pois toda a minha salvação e todo o meu prazer estão nele, apesar de que ainda não o faz brotar.
6- Porém os filhos de Belial serão todos como os espinhos que se lançam fora, porque se lhes não pode pegar com a mão.
7 - Mas qualquer que os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança; e a fogo serão totalmente queimados no mesmo lugar.


OBJETIVO GERAL
Esclarecer que a essência da vida consiste em viver cada momento com Deus e para Deus.
HINOS SUGERIDOS: 78,278, 348 da Harpa Cristã

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

Apresentar uma visão geral da velhice;
Pontuar os problemas na velhice;
Enfatizar as palavras finais de Davi em sua velhice.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Quantas são as pessoas que ao longo da caminhada cristã, hoje, já na terceira idade, sentem-se cansadas, desanimadas e sem autoestima? Isso não significa falta de espiritualidade ou ausência de comunhão com Deus, mas mostra que o envelhecimento é uma fase natural da vida que pode ser vivida de maneira saudável ou não. Nesse sentido, o objetivo desta lição é afirmar que a essência da vida consiste em viver cada momento com Deus e para Deus. Assim, podemos ter o olhar alterado sobre a velhice, vivendo-a de modo que glorifique a Deus e alegre o coração.

INTRODUÇÃO

Nada há nada de pejorativo na palavra velhice. Ela não fala apenas de idade avançada, mas também de maturidade, experiência. Por isso, o hebraico (seybah) a define como cabelos grisalhos, cabeça encanecida. Nas Escrituras, a velhice é vista como fonte de bênçãos: “Na velhice darão ainda frutos, serão cheios de seiva e de verdor” (Sl 92.14). A velhice pode ser boa ou ruim − isso dependerá da forma como vivemos cada fase de nossa vida; temamos a Deus e sejamos sábios (Ec 12.1).
Os últimos momentos da vida de Davi, já na velhice, foram conturbados, conforme descrito em 1 Reis, mas, pela sua peregrinação e comunhão com Deus, ele finda sua missão com uma grandiosa ação de graças ao Senhor, que o chamara desde a meninice.

PONTO CENTRAL
A essência da vida consiste em viver cada momento com Deus e para Deus.
I – UMA VISÃO GERAL SOBRE A VELHICE

1. Concepções antigas e modernas.
Há 2.500 anos, o filósofo egípcio Ptah-hotep descreveu a velhice como o maior infortúnio que pode atingir o ser humano. O poeta inglês William Shakespeare não via a velhice com bons olhos, antes, relatou que os anos crepusculares trazem uma segunda infância e simples esquecimentos. O tom da concepção moderna sobre a velhice é desgastante, ao afirmar que os velhos são ressentidos com os jovens, pois são pessoas cansadas, fora de moda e severas. Entretanto, o respeito por cada fase da vida é ordenado por Deus. Ninguém pode desprezar o outro por ser adolescente, jovem ou idoso.

Tem-se veiculado nos meios de comunicação o descaso com que muitos tratam os mais velhos; sem dúvida, isso se deve ao esfriamento do amor e ao aumento do pecado, gerando ingratidão e desrespeito (Mt 24.12). Por isso, a igreja deve manter programas especiais para os idosos, pois essa prática revela o amor de Deus ao próximo.

2. Concepção bíblica.
A Bíblia descreve a velhice como algo natural e dadivoso. O homem que mais viveu na terra foi Matusalém, chegando à idade de 969 anos (Gn 5.27). Mas há muitos outros que chegaram à velhice com menos idade e diversos problemas, como Isaque, que não enxergava mais (Gn 27.1), Barzilai, que afirmou que, devido à idade, já não se interessava mais por finas iguarias (2 Sm 19.34,35).

A Bíblia relata, porém, dois homens de idade avançada que não foram atingidos pelos sintomas e problemas na velhice. O primeiro é Moisés; em Deuteronômio 34.7 é dito que seus olhos nunca escureceram nem ele perdeu o vigor. Em seguida, Calebe, com a idade de 84 anos, falou a Josué que Deus lhe tinha conservado até ali, e ele ainda viria a conquistar as terras que lhe foram destinadas (Js 14.10-14).

A velhice virá para todos os mortais, mas o importante é ter Deus na vida, pois, dessa forma, poderá ser encarada com naturalidade, longe de qualquer estereótipo.


SÍNTESE DO TÓPICO I
A perspectiva bíblica a respeito da velhice é positiva, pois a mostra como algo natural e dadivoso.

SUBSÍDIO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO

Ao introduzir esta lição, fale um pouco do texto base das Escrituras, que fundamenta a lição (2 Sm 23.1-7), destacando a seguinte informação: “O primeiro parágrafo do capítulo 23 é introduzido com um título: Estas são as últimas palavras de Davi (1). Davi é descrito como o homem que foi levantado em altura, o ungido do Deus de Jacó, e o suave em salmos de Israel. É possível que as últimas palavras aqui signifiquem ‘as últimas palavras inspiradas’, visto que o termo hebraico traduzido como diz é um termo que é sempre usado em outras passagens como um pronunciamento divinamente inspirado. Que o Espírito do Senhor realmente falava por Davi (2) é abundantemente atestado nos salmos que ele escreveu” (Comentário Bíblico Beacon: 2 Josué a Ester. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.260-61). No tópico três, você poderá retomar o assunto, pois ele trata das palavras finais de Davi.


II – PROBLEMAS NA VELHICE DE DAVI

1. A velhice de Davi.
1 Reis 1.1-4  descreve alguns problemas que atingiram Davi na velhice. Ali, se esclarece que a velhice não poupa ninguém. Por causa dos grandes sofrimentos, das lutas que marcaram sua vida e das causas naturais, com aproximadamente setenta anos, as forças e a saúde de Davi já tinham definhados. Seu corpo não conseguia manter-se aquecido.

Davi é o exemplo de como começa o declínio da vida, conforme expõe Eclesiastes 12.1-7. Portanto, aproveitemos bem a adolescência e a juventude na presença de Deus; consagremos nossas forças e todo o nosso vigor ao Senhor Jesus Cristo.

2. Enfrentando mais um filho rebelde.
Em 1 Reis 1.15, novamente o texto reforça a velhice de Davi. Estando ele doente e sem forças, Adonias aproveita-se desse instante para declarar-se rei; ele tem quase os mesmos traços de Absalão − é formoso de aparência e exalta a si mesmo, dizendo: “Eu reinarei”. Apresenta-se ao público com características da realeza: com carros, cavaleiros e pessoas que corriam adiante dele. Ao contrário de Absalão, que sofria oposição de seu pai, Adonias sabia que não haveria qualquer entrave para o seu plano, pois fora criado sem qualquer disciplina. Daí a expressão: “Nunca seu pai o tinha contrariado”.

Adonias representa aqueles que querem ser líderes segundo sua própria vontade, que exaltam a si mesmos, desprezando a vontade de Deus. Essa postura vai lhe custar a vida.

3. Constituindo Salomão como rei.
Já no seu leito de morte, doente e velho, Davi teve de atuar firmemente para constituir Salomão como rei. Ele chama Zadoque, Natã e Benaia, e passa-lhes as necessárias instruções, seguindo os costumes da separação de um rei: a unção e o anúncio público.

A ordem de Davi era que Salomão fosse colocado em sua mula, sobre a qual somente o rei andava; ele foi escoltado até Giom, em direção ao vale de Cedrom. A unção foi feita por Zadoque com o óleo do tabernáculo, perante todo o povo. A cerimônia feita para a coroação de Salomão recebia a ratificação divina. Somente a partir disso é que Salomão poderia assumir o trono.

4. As palavras de Davi a Salomão e sua morte.
Davi tem consciência de que vai morrer. É isso o que se constata em 1 Reis 2.1-4. Nessa hora, brotam dos seus lábios profundas palavras com as quais aconselha seu filho. Davi diz para Salomão andar em santidade e, nela, conduzir o rebanho de Deus, Israel. O rei tinha consciência plena de que uma vida de santidade só era possível pela observância e obediência completa à Palavra de Deus, conforme Moisés revelara.

Tanto Salomão quanto o povo tinham a responsabilidade de andarem nos caminhos do Senhor, por causa das verdades divinas transmitidas, o que significava: atentar para os estatutos do Senhor (Êx 30.21); guardar os mandamentos divinos (Êx 20.1-17); atentar para os decretos ou juízos do Senhor (Êx 21.1).

SÍNTESE DO TÓPICO II
Na velhice, Davi presenciou mais uma revolta de um filho, Adonias.

SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO

“Adonias exaltou-se a si mesmo [1 Reis] (1.5-8). A decisão de se andar em seu próprio caminho ao invés de se submeter à vontade de Deus é autoexaltação, e esse espírito frequentemente resulta em uma tendência estabelecida na vida. Isto era verdadeiro no caso de Adonias. Ao exaltar-se a si mesmo, ele seguiu o exemplo de Absalão (cf. 2 Sm 15.1ss). Propositalmente, ele se apresentou como um personagem da realeza, com seus próprios carros, cavaleiros e homens que corriam diante dele. Ao contar com um histórico de disciplina paterna negligente e com a sua formosura (6), ele aparentemente sentiu que Davi, seu pai, não seria empecilho para ele. Adonias procurou a ajuda daqueles que já não gozavam das boas graças de Davi (7): Joabe, o antigo comandante do exército do rei (2 Sm 2.13, passim); e Abiatar, que tinha sido sacerdote leal de Davi no passado (1 Sm 22.20, passim). Existem muitas evidências em 2 Samuel de uma crescente discórdia entre Davi e seu general Joabe (2 Sm 3.23-39; 19.1-8; 24.3,4). No entanto, nada se sabe que possa explicar o desafeto de Abiatar, e a sua consequente disposição de adotar a causa de Adonias” (Comentário Bíblico Beacon:2 Josué a Ester. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.279).

III. AS PALAVRAS FINAIS DE DAVI EM SUA VELHICE

1. O reconhecimento da ação do Deus de Jacó.
As palavras finais de Davi em 2 Samuel 23.1-7 são de louvor a Deus. Primeiramente ele expressa sua gratidão a Deus por ter-lhe favorecido em tudo; e menciona que foi levantado em altura pelo Deus de Jacó: “Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus“ (v.3).
Davi tinha consciência de que todas as suas conquistas não eram humanas e que, ele mesmo, não era divino, como pensavam os reis de outras nações ao próprio respeito; mas seu crescimento veio do Deus de Israel. Reconhecer nossa fragilidade é o caminho para Deus usar-nos sem nunca pensarmos ser alguma coisa (Sl 82.7). No Novo Testamento, Paulo era usado por Deus, mas tinha consciência de sua humanidade (At 14.15).

2. O Davi inspirado.
Davi esclarece que as palavras que pronunciará têm sua fonte em Deus. Ele deixa claro, nos versículos 3 e 4, que brevemente o governador ideal chegará. Ele irá atuar com justiça, andará no temor do Senhor e trará grandes bênçãos ao povo. O rei diz assim porque tinha consciência de que havia falhado. Mesmo diante de suas falhas, Davi sabia que Deus tinha estabelecido com ele um concerto, de modo que esse justo rei irá sair de sua própria casa (Is 55.3; Jr 33.15.16; At 13.34). Referia-se Ele, profeticamente, à chegada do Messias – Jesus Cristo.

Em 1 Reis 2.10, o autor sagrado registra a morte de Davi, o grande rei de Israel. Ele dormiu com os seus pais para acordar na eternidade com Deus. Ele estaria para sempre com o Senhor.

SÍNTESE DO TÓPICO III
Em sua velhice Davi reconheceu a ação de Deus e diz palavras divinamente inspiradas

SUBSÍDIO DE VIDA CRISTÃ
“Não importa a sua idade, não importam os problemas de saúde ou outro qualquer que você esteja enfrentando. Não importa o cansaço físico e mental, a falta de coragem e de ânimo. O Senhor Jesus faz o seguinte convite: ‘Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei’ (Mt 11.28). Se até então a sua idade tem sido um ‘fardo’ difícil de suportar, a proposta de Jesus é que você troque pelo seu fardo e seu jugo, que é leve e suave. Ou seja: a partir de hoje, os seus muitos dias de vida serão usufruídos com a leveza e suavidade que só Deus pode conceder, por meio de sua maravilhosa paz. [...] Com Jesus ao seu lado você poderá dizer que ‘as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo’ (2 Co 5.17). Assim, a sua ‘velha idade’, o seu ‘velho corpo’, o seu ‘velho cansaço’, a sua ‘velha vida’, o seu ‘velho eu’, tudo o que você considera como ‘velharia’ será transformado em coisa novas por Cristo” (FREIRE, Eurides Santana. Melhor idade... Por que não? Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p.109,10).

CONCLUSÃO
A Bíblia fala dos atos heroicos de Davi, mas não esconde seus erros e deslizes. Mas o pastorzinho de Belém, como o homem segundo o coração de Deus, soube como retornar ao que o ungira como rei de Israel. Seus salmos relatam a comunhão profunda e íntima que ele mantinha com o Senhor. E, dessa forma, o amado rei finda sua vida, enaltecendo o Deus de Jacó.
PARA REFLETIR
A respeito da lição “A Velhice de Davi”, responda:

1. Como a velhice é tratada na concepção moderna?
O tom da concepção moderna sobre a velhice é desgastante, ao afirmar que os velhos são ressentidos com os jovens, pois são pessoas cansadas, fora de moda, feias e severas.

2. Como a Bíblia descreve a velhice?
A Bíblia descreve a velhice como uma bênção e algo natural.

3. O que a igreja deve fazer para com as pessoas de terceira idade?
A igreja deve ter e manter programas especiais para os idosos, pois essa prática revela o amor de Deus ao próximo (Mc 12.30).

4. Como é descrito em 1 Reis a velhice de Davi?
Com aproximadamente setenta anos, as forças e a saúde de Davi tinham definhado. Seu corpo não conseguia manter-se aquecido.

5. Qual a consciência que o rei Davi tinha a respeito de si?

Davi tinha consciência de que todas suas conquistas não eram humanas, e que ele mesmo não era divino, como pensavam os reis de outras nações; seu crescimento provinha do Deus de Israel.
ATENÇÃO!
Ao copiar este conteúdo COPIE ISTO TAMBÉM:
Fonte: Lições Bíblicas CPAD | Divulgaçãowww.subsidiosebd.com